Ir para o conteúdo

Campanha do HESE apela à dádiva de sangue: “Confinar também é dar” 

Nesta terça-feira, dia 19 de janeiro, o serviço de Imunohemoterapia do HESE, em articulação com o Gabinete de Comunicação e Marketing, deu início a uma campanha de sensibilização para a dádiva de sangue com a mensagem “Confinar também é dar”. Esta mensagem quer transmitir às pessoas que, apesar do confinamento, é possível sair das suas casas e vir ao Hospital dar sangue. Esta é uma das exceções previstas no confinamento.

Nos meses de inverno há sempre uma baixa afluência de dadores, portanto, seria esperado haver menos sangue disponível. Contudo, “este ano e principalmente nestes últimos dois meses, o serviço de sangue do Hospital de Évora teve uma queda de cerca de 50% nas dádivas de sangue”, refere Francisco Ferro, médico do Serviço de Imunohemoterapia, e realça que “as pessoas não devem ter receio de comparecer à dadiva de sangue, pois o Serviço cumpre todas as medidas de segurança para o efeito.”

Neste momento, devido à pandemia que estamos a viver, há uma nova forma de marcar a dádiva: caso pretenda aderir a esta causa, inscreva-se AQUI

Todas as pessoas com idades entre os 18 e os 65 anos, saudáveis, podem ser dadores. Habitualmente, os homens podem dar sangue de três em três meses, quatro vezes por ano, e as mulheres de quatro em quatro meses, ou seja, três vezes por ano.

As pessoas que foram, entretanto, vacinadas contra a Covid-19, só devem dar sangue 15 dias após a vacinação e aqueles que já estiveram infetados com covid-19 só podem dar sangue 28 dias após a alta.

Realce-se que esta falta de dádivas de sangue é um problema a nível nacional, por isso, reforçamos a adesão e compreensão de todos aqueles que consigam responder a este apelo.

Contamos com todos.

imagem do post do Campanha do HESE apela à dádiva de sangue: “Confinar também é dar” 
Partilhar:
Shares