Ir para o conteúdo

1.03. Reforço da Diferenciação e Complementaridade de Serviços

QREN / INALENTEJO
03. Reforço da Diferenciação e Complementaridade de Serviços
ALENT-03-0348-FEDER-000184

Objetivos do projeto

Com este projeto pretende-se cumprir o que foi programado e acordado com o Governo através da aprovação pelo Ministério da Saúde do Plano de Negócios de 2007–2009 do Hospital do Espírito Santo de Évora, EPE, e também cumprir o Plano de Atividades e Orçamento para 2008.

Objetivo geral

Reforçar a diferenciação e a complementaridade de serviços de forma a promover uma melhoria nas condições de saúde das pessoas e ao mesmo tempo garantir maior equidade, por parte dos cidadãos, no acesso aos cuidados de saúde.

Principais objetivos específicos

• Melhorar a capacidade de resposta do Serviço de Medicina Física e Reabilitação;

• Dotar o Ginásio de Reabilitação de melhores condições físicas;

• Reforçar a potência elétrica do hospital de forma a dar resposta às necessidades e de forma a tornar possível a climatização do Hospital;

• Dotar o serviço de internamento com novas camas, promovendo uma maior humanização do internamento;

• Melhorar as condições de acolhimento das visitas dos doentes, através da reformulação da zona de admissão e da sala de espera adjacente;

• Diminuir os custos e melhorar a eficiência técnica e económica;

• Aumentar a eficiência operacional, através da redução de custos de manutenção e tempo de paragem, devido à antiguidade dos equipamentos médico-cirúrgicos;

• Implementar um espaço dedicado à realização de sessões de hemodiálise em doentes portadores de HIV e/ou hepatite;

• Modernizar o serviço de Nefrologia de forma a criar melhores condições de acolhimento dos utentes;

• Alterar o local da Unidade de Esterilização e dotá-la de melhores condições físicas, possibilitando ao mesmo tempo o alargamento da UCI (já financiado pelo INALENTEJO através do projeto denominado “Requalificação da Urgência para preenchimento dos requisitos de Urgência Polivalente”);

• Implantar uma estrutura de apoio que minimize os impactes das obras de remodelação da Urgência;

• Criar uma nova sala operatória de forma a responder às necessidades atuais de forma a promover uma maior produtividade cirúrgica e reduzir tempos de espera cirúrgicos.

Caracterização da operação

A operação caracterizou-se pela requalificação do Serviço de Medicina Física e Reabilitação, dotando o serviço de um novo ginásio de reabilitação para aumentar o nível de conforto dos utentes e profissionais de saúde e a capacidade de resposta do serviço.

O reforço da potência elétrica do hospital, com a construção de um novo posto de transformação no edifício do Espírito Santo, permitiu que a climatização dos serviços de internamento se pudesse concretizar.

Humanizar o internamento hospitalar dotando os serviços com novas camas elétricas possibilitou aumentar o conforto e bem-estar do utente e melhorar as condições de trabalho dos profissionais de saúde, melhorando ainda as condições de acolhimento das visitas através da requalificação da zona de admissão das antigas consultas externas do edifício do Espírito Santo.

A criação de uma nova Unidade de Esterilização permitiu responder de forma eficaz às necessidades de todo o Distrito e Região Alentejo, ao mesmo tempo que viabilizou o alargamento da Unidade de Cuidados Intensivos Polivalente.

A infeção VIH/SIDA, representando elevados custos sociais e económicos, e a eficácia que a ação pública pode ter na mitigação dos seus efeitos e consequentemente nos custos, justificou que o HESE, EPE, criasse um Serviço de Nefrologia moderno e renovado, permitindo a realização de sessões de hemodiálise a utentes portadores de HIV e/ou hepatite, para dar resposta a um dos domínios prioritários do Plano Nacional de Saúde e do Programa do XXXVII Governo Constitucional, cumprir as recomendações da Inspeção-Geral da Saúde e ir de encontro ao Decreto-Lei n.º 505/99 de 20 de novembro, que “…fixa os requisitos que as unidades de diálise devem observar quanto a instalações, organização e funcionamento, dando início a uma nova fase de atividade que representa um assinalável contributo para a garantia técnica e assistencial…”.

Requalificar os serviços com novos equipamentos médico-cirúrgicos, nomeadamente, ORL (otorrinolaringologia), Bloco Operatório, Oftalmologia, Cardiologia, Anatomia Patológica e AVC, dotando o Hospital dos mais recentes meios tecnológicos, de forma a corresponder a um ganho para a saúde dos utentes e ao mesmo tempo obter uma mais-valia para os profissionais de saúde.

Implantar uma estrutura de apoio para a remodelação da urgência e alargar o Bloco Operatório com a criação de uma nova sala operatória de forma a aumentar a produtividade cirúrgica e a consequente redução das listas de espera.