Ir para o conteúdo

História

O Serviço de Imunohemoterapia do HESE-EPE foi criado nos anos 50, tendo sido seu primeiro Diretor o Dr. Batista Caldeira, seguindo-se a Drª. Filomena Simões, nos anos 80, Dr. Rodrigo Gusmão, anos 90, Dr. Álvaro Beleza de 1996 a 2009 e atualmente o Dr. Francisco Ferro. 

Desde o início que se colhe sangue aos dadores, bem como se realizam análises laboratoriais. A separação do sangue nos seus componentes (Concentrado Plasma, Plaquetas e Eritrócitos) iniciou-se em 1996. Em 1997 iniciaram-se também as transfusões autólogas pré e intra operatórias (Cell Saver). A partir de 2000 o Serviço trabalha em rede com os Hospitais de Portalegre, Elvas e Santiago do Cacém, com o objetivo de atingir a auto-suficiência no Alentejo. Em 2002 iniciou-se o Internato Médico Complementar da Especialidade e apostou-se na melhoria contínua de qualidade, com vista à Certificação do serviço por referenciais internacionais. Em Julho de 2005 o Serviço obteve a certificação do Sistema de Gestão da Qualidade segundo a NP EN ISO 9001:2000. Entre 2007 e 2009 o serviço adquiriu novas instalações no edifício Patrocínio, passando a ter o laboratório de Imunohematologia a funcionar 24h/dia. A aquisição de equipamento com tecnologia PCR permitiu a realização de vários testes serológicos e de ácidos nucleicos (TAN). Em 2010, finalizou-se a instalação da rede informática a todos os Hospitais da Rede de Medicina Transfusional do Alentejo, ficando todos os serviços interligados. Em 2011, foi criada uma equipa do SIH com a responsabilidade da Promoção da Dádiva, nomeadamente com a organização das Brigadas de recolha de sangue a nível do Alentejo Central. Em 2015, foi criada a Comissão Transfusional do Hospital de modo a uniformizar procedimentos relativos á transfusão, transversais a todo o Hospital. Em 2018 consolidou-se o uso do protocolo de Transfusão Maciça com a consequente implementação do stock mínimo de hemoderivados no serviço. Foi iniciada ainda a adesão ao Programa Estratégico Nacional de Fracionamento de Plasma Humano, do Instituto Português do Sangue e Transplantação. Em 2019, foi adquirida a Técnica de Tromboelastometria (ROTEM).